• Santa Rosa do Sul

    MIN 20ºMAX 23º
  • Araranguá

    MIN 19ºMAX 29º
  • Balneário Arroio do Silva

    MIN 20ºMAX 25º
  • Balneário Gaivota

    MIN 19ºMAX 27º
  • Jacinto Machado

    MIN 17ºMAX 29º
  • Sombrio

    MIN 19ºMAX 27º
Ver mais

Região

16/02/2018  às 15hs22

Safra catarinense de milho terá redução de 20,4%

Principais concorrentes do milho grão são o milho silagem e a soja


Foto: Aires Carmem / Epagri

Foto: Aires Carmem / Epagri


Nova estimativa prevê redução de 20,4% na safra catarinense de milho grão. A combinação de estiagem e redução da área plantada trará uma queda na produção e a colheita deve fechar em 2,4 milhões de toneladas em 2018. Os números foram divulgados nesta quinta-feira, 15, no Boletim Agropecuário do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa).

Os períodos de estiagem, principalmente em setembro e dezembro de 2017, comprometeram a produtividade das lavouras de milho catarinenses. Se na última safra os produtores colheram em média 8,6 toneladas/hectare, este ano o número deve ficar em 8 toneladas/hectare, uma queda de 7,14%.

A área plantada para o milho grão também será menor este ano, serão 310 mil hectares (14,3% a menos do que na última safra). Os principais concorrentes do milho grão são o milho silagem e a soja, que vêm ganhando cada vez mais espaço no meio rural.

Esses dois fatores fazem com que as projeções para a safra 2017/18 de milho não sejam otimistas. Com 643 mil toneladas a menos de milho grão, Santa Catarina pensa em alternativas para suprir as cadeias produtivas de carnes. Segundo o secretário da Agricultura e da Pesca, Moacir Sopelsa, uma das opções é criar uma rota para que o milho venha do Paraguai, com preços mais competitivos do que aquele vindo do Centro Oeste brasileiro.

A colheita menor tem impacto direto no setor produtivo de carnes em Santa Catarina. Como maior produtor nacional de suínos e segundo maior produtor de aves, o estado consome em média seis milhões de toneladas de milho todos os anos. O acompanhamento de safra tem como referência a situação da colheita em fevereiro.