• Balneário Arroio do Silva

    MIN 17ºMAX 21º
  • Santa Rosa do Sul

    MIN 17ºMAX 21º
  • Araranguá

    MIN 15ºMAX 25º
  • Jacinto Machado

    MIN 12ºMAX 26º
  • Balneário Gaivota

    MIN 15ºMAX 23º
  • Sombrio

    MIN 15ºMAX 23º
Ver mais

Saúde

06/10/2016  às 17hs03

Prefeitura de Gaivota e Isev continuam sem acordo

Notas foram emitidas por ambas as partes


Foto: Divulgação

Foto: Divulgação


O impasse entre a Prefeitura de Balneário Gaivota e o Instituto de Saúde Educação Vida (Isev), responsável pela administração do Hospital Dom Joaquim, ganhou um novo capítulo essa semana depois que ambos emitiram notas sobre o cancelamento do contrato para atender os moradores da cidade.

De um lado, o ISEV diz que o cancelamento se deu pela falta de comprometimento da atual administração municipal por cortar o repasse na ordem de R$25 mil mensais desde o ano passado. Em nota, a entidade também lamenta a situação dizendo que “a instituição lamenta tomar esta atitude, mas não existe outro meio, já que não houve interesse por parte do Exmo. Sr. Prefeito Municipal de Balneário Gaivota e seus representantes em manter o convênio em dia”, reafirmando que “continuará a atender planos de saúde, particular e as prefeituras conveniadas”.

Já a Prefeitura de Balneário Gaivota, também por meio de nota, diz que os moradores sempre puderam contar com os serviços de atendimento básico de saúde e que a nota da entidade mantenedora é falsa. “O Isev sempre soube que a suspensão do repasse se deu por sua culpa exclusiva, tanto é que manteve o atendimento enquanto tentava regularizar as contas junto a contabilidade municipal. Apesar das diversas oportunidades que a administração deu para o Instituto regularizar suas contas, até a presente data as contas não foram regularizadas”, diz o comunicado.

A administração municipal destaca ainda no documento que “é importante deixar claro é que o Hospital deve sim realizar atendimento para qualquer cidadão no caso de urgência e emergência, pois tem convênio com o Estado de Santa Catarina que os obriga a prestar estes atendimentos”. Por fim, a Prefeitura diz que “continua de portas abertas, aguardando a regularização da prestação de contas da instituição, esperando também que a mesma passe a portar de forma idônea e se pronunciando com a verdade”.